Orientação Farmacêutica

PARA QUÊ?

A concepção de direitos sexuais e reprodutivos implica que as pessoas possam ter uma vida sexual ativa, segura e que decidam se, quando e com que frequência terão filhos. A vivência desses direitos é entendida como potencializadora da vida e das relações interpessoais. O exercício destes direitos pressupõe que cidadãos sejam informados e tenham acesso a métodos seguros e eficazes para o exercício sexual e o planejamento reprodutivo.

Os farmacêuticos e balconistas, por estarem muito próximos aos cidadãos, têm um papel social importante na efetividade desses direitos, em especial, no acesso aos insumos necessários ao planejamento reprodutivo e à prevenção de gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis. As farmácias e drogarias, disponíveis muitas vezes 24 horas por dia, prestam serviços essenciais para a saúde da população.

A busca por produtos e medicamentos relacionados à atividade sexual e vida reprodutiva é especialmente delicada, considerando que envolve a vida íntima e pode implicar em decisões que requerem privacidade. Sabe-se que a garantia da confidencialidade das informações de natureza íntima contribui efetivamente para a construção de vínculo com profissionais e serviços de saúde.

A atenção especial e diferenciada do farmacêutico ou balconistas às mulheres que buscam a pílula de emergência é fundamental para a saúde sexual e reprodutiva feminina. Ao ser abordado por uma cliente em busca deste medicamento, é importante perceber se ela deseja ou não a orientação farmacêutica. Em caso positivo, o aconselhamento deve ser efetuado de forma objetiva e isento de juízos de valor. A abordagem e a orientação adequadas aos clientes que buscam farmácias ou drogarias são imprescindíveis para garantir melhores condições de saúde.



Última atualização em 04/04/2016
© É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.